Teses e Dissertações

Evolução do padrão de consumo das famílias brasileiras no período 2003-2009 e relações com a distribuição de renda

O trabalho se propõe a investigar que transformações no padrão de consumo das famílias brasileiras ocorreram durante o processo de redistribuição de renda em favor das famílias mais pobres na última década. Comparando as duas últimas edições da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF IBGE), que ocorreram em 2002/2003 e em 2008/2009, foram observadas a evolução das diferenças entre faixas de renda e regiões na distribuição das despesas em categorias, participação nos mercados e algumas características qualitativas. O objetivo é relacionar as transformações ocorridas com a atual discussão acerca da viabilidade da estratégia de crescimento por consumo de massas no Brasil e com o debate realizado anteriormente sobre as relações entre padrões de consumo e distribuição de renda no país. Leia Online Download Clique aqui ara fazer o download

Crescimento liderado pela demanda na economia norte-americana nos anos 2000: uma análise a partir do supermultiplicador sraffiano com inflação de ativos

O objetivo dessa tese é analisar o crescimento liderado pela demanda na economia norte-americana nos anos 2000. No primeiro capítulo a macroeconomia dos três saldos propostas por W. Godley é avaliada de forma crítica. Esse passo inicial é de fundamental importância, pois essa visão se tornou dominante entre os economistas que querem analisar processos econômicos nos quais a inflação de ativos assume um papel relevante e que coadunam de um fundamento teórico básico, qual seja, a validade do princípio da demanda efetiva. Consistentemente com essa crítica, é apresentado o arcabouço teórico do supermultiplicador sraffiano expandido para lidar com inflação de ativos, a partir do qual é analisado o crescimento da economia norte-americana nos anos 2000. Estabelecida nossa própria explanação, nos dispomos a fazer uma avaliação crítica de diferentes interpretações do crescimento da economia norte-americana neste período. Essa trajetória de crescimento culminou na maior crise econômica desde o crash de 1929.…

Competitividade internacional e demanda efetiva na teoria do crescimento

O presente trabalho busca avaliar os principais pontos literatura neo-kaleckiana para economias aberta que relacionam competitividade internacional, taxa de câmbio real, distribuição e crescimento. O objetivo principal é analisar criticamente o resultado comum aos modelos neo-kaleckianos de que a competição internacional torna a economia mais propensa a ter um regime de crescimento puxado pelos lucros. A robustez teórica dessa visão será questionada com base em três argumentos centrais. O primeiro será o modo como os modelos neo-kaleckianos fecham a relação entre taxa de câmbio e distribuição. Será argumentado de que a ideia difundida nessa literatura de que a depreciação da taxa de câmbio real esteja associada a um crescimento da parcela dos lucros na renda é restritiva quanto aos possíveis desenvolvimentos do conflito distributivo e omite outras fontes de depreciação da taxa de câmbio real que não simplesmente a redução do salário real. Em segundo lugar, o modelo neokaleckiano será…

DINÂMICA DO CONSUMO, DO INVESTIMENTO E O SUPERMULTIPLICADOR: UMA CONTRIBUIÇÃO À TEORIA DO CRESCIMENTO LIDERADO PELA DEMANDA

Esta tese se apresenta como uma contribuição na tradição do supermultiplicador sraffiano. Buscaremos desenvolvê-lo em duas direções: no estudo da estabilidade e das propriedades dinâmicas do modelo sob diferentes especificações da função-investimento e na análise do endividamento dos trabalhadores quando existe consumo financiado por crédito. Antes desses desenvolvimentos, porém, compararemos o modelo do supermultiplicador com o modelo kaleckiano de crescimento, o qual é visto como a ferramenta padrão para análises de crescimento na macroeconomia da demanda efetiva. Este último modelo apresenta, a nosso ver, três limitações: i) não apresenta tendência à normalização da taxa de utilização de capacidade; ii) não apresenta relação positiva entre taxa de investimento e taxa de crescimento; iii) não apresentas nenhuma influência de gastos autônomos não-geradores de capacidade produtiva (GANGCP) sobre a taxa secular de crescimento. Estas características contradizem alguns fatos estilizados encontrados na literatura empírica sobre crescimento. Omodelo do supermultiplicador, por sua vez, ao assumir…

UM ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DO PREÇO DE PRODUÇÃO DO PETRÓLEO NAS ÚLTIMAS DÉCADAS

O objetivo deste trabalho é estudar a tendência do preço internacional do petróleo nas últimas décadas, a partir da abordagem clássica do excedente. Esta abordagem, recuperada por Sraffa, Garegnani e seus seguidores, enfatiza o papel dos custos de produção (distribuição de renda) e da tecnologia na explicação do preço de produção, um preço teórico e de longo período. Trata-se de uma abordagem que nos fornece instrumentos para analisar a importância tanto da dimensão econômica quanto geopolítica – dada principalmente pela política energética americana – para os preços de produção do petróleo, uma vez que é fundamentada nas análises histórica e estrutural.

A expansão chinesa e seus impactos na África na primeira década do século XXI

O objetivo da tese é analisar a repercussão nos países africanos da expansão chinesa recente relacionada à entrada do país em um novo ciclo expansivo caracterizado pela ampla utilização de artigos primários. A partir deste novo ciclo a China assume cada vez mais a posição de demandante mundial de artigos primários, contribuindo para mudanças fundamentais no comércio internacional e para a inserção dos países periféricos primários exportadores, entre eles os países africanos. Desde os anos 2000 observa-se uma retomada do crescimento das economias africanas que dá lugar ao cenário de crise e recessão das últimas décadas do século XX.

Um Modelo Alternativo Ao “Novo Consenso” Para Economia Aberta

Nesta tese, é discutido um modelo alternativo ao modelo do Novo Consenso para economia aberta, para avaliar os canais de transmissão, os custos de longo prazo da política monetária, bem como suas limitações. Os custos de longo prazo são avaliados em termos da taxa de crescimento da capacidade produtiva e da taxa real de juros de longo prazo, da taxa real de câmbio e da evolução da situação das contas externas, e da distribuição funcional da renda para diferentes metas de inflação.

Navigate