De fracasso em fracasso, até a vitória final

Há poucos dias o governo de Angola resolveu dar um basta a essa irresponsabilidade brasileira de ficar reiteradamente envolvendo o nome do seu país, das suas instituições e suas autoridades em alegações de corrupção, sem qualquer base factual. Angola liquidou antecipadamente todos os créditos de exportação que ainda estavam em aberto com o Brasil – havia operações que só venceriam em 2024[1] – encerrando a utilização do Memorando de Entendimento Brasil-Angola (MEBA). O MEBA instituiu um engenhoso mecanismo de mitigação de risco de crédito, pelo qual Angola se comprometia a manter o equivalente a nove meses de parcelas vincendas dos financiamentos brasileiros à exportação em uma conta garantidora, abastecida pelos resultados da venda de até 20 mil barris de petróleo /dia pela petrolífera estatal SONANGOL. Assinado originalmente na década de 80, ainda durante o regime militar, o Memorando foi o elemento singularmente mais importante para explicar o crescimento sem precedentes…

Navigate